NOTURNA

Noturna

sublime visagem de palidez notável

em teu peito morno a pulsar

o sangue que arde em carne viva

o desamor e desalento.

 

Tu que vives ao sopro da noite

és a sedução do desalento

abriga em seu íntimo

cinzas e vagas impressões de si.

 

Vista-se com seu melhor personagem

o alvorecer traz consigo

cores que não podem ser pintadas por suas mãos

inalcançáveis para ti, noturna.

 

 

Karline Arantes

 

 

Poesia e música da artista plástica Karline Arantes, a moça na capa de "Protógonos"

 

 

Please reload

Postais em destaque

VERSOS ÍNCUBOS

17.11.2019

1/14
Please reload

Postais recentes

13/12/2019

Please reload