BEIJA-FLOR

Hoje eu acordei… Acordei

com o choro do nosso filho.

Levantei. Afastei-me de ti,

mas quando olhei para trás:

ainda tinha o braço pesando

sobre a tua cintura, a perna

metida entre as tuas, minha

testa, tua nuca se escorando.

(Quem era aquele estranho eu,

se eu mesmo já à porta o via?)

Confuso, tomado de ciúmes,

quase me detive. Quase...

Mas acordara com o choro,

o chorinho do nosso filho.

E deixei o impostor p’ra volta.

O berço fosforesce

de um lilás transcendente.

Olhei através da parede e

vi de novo o outro Igor,

prendendo o teu pé entre

as coxas, bebendo os teus

cabelos, inerte, adormecido.

Regressaria logo! e implacável!

como Odisseu de torno a Ítaca!

Mas o rosto iluminado do nosso

pequenino me roubou da sanha;

enxuguei a sua lágrima argenta;

pus a junta do dedo sobre a sua

mínima boquinha. E ele a sugou.

Senti então a tua mão de leite

a envolver o meu pescoço teso.

Cerrei os olhos... Abri os olhos

e o recolhias já do berço, nosso

beija-flor, para a paz do teu seio.

Igor Buys

Ilha Grande, 24 de julho 2019

Craig Tracy; bodypainting

Craig Tracy; bodypainting

Postais em destaque
Postais recentes