LUCINDA (2a. versão)

Porque ele te livrará do laço do passarinheiro,

e da peste perniciosa. Salmos, 9:13

Lucinda, o dia nasceu luminoso, Lucinda.

A flor se abriu intumescida de mais viço e força

e a gota sobre sua pé-

tala se desprendeu no ar ébria de todas as cores.

O mar se encheu de mais azul, Lucinda.

Desse mesmo azul que tem uma foz no teu olhar.

E o idoso e a criança foram jogar passarinhos

ao milho granulado, dourado. Fiat Lux! Lucinda.

A luz que está no teu nome, no teu intenso olhar,

no teu gesto; a luz que te resume e faz presente

ecoa em cada coisa. E sorri, rodopia com o vento.

Dança com as palmeiras, aquece a madeira salgada

do cais com os seus pés. O teu bailado para a vida.

E essas tuas longas melenas, Lucinda, se embrenham

nos galhos, nas vozes, nos objetos confinados da casa

de janelas francas para receber sua chama, sua cura.

Ela sabe livrar do laço do passarinheiro, do fungo e da peste.

Igor Buys

Ilha Grande, 23 de março/02 de maio de 2020

Postais em destaque
Postais recentes