O amor nos tempos no coronavírus

 Igrejinha, Pracinha do Abraão e arredores desertos. Nem o sino soa. A entrada do outono trouxe o frio e a chuva, e levou embora o calor escaldante que exterminaria a peste. Um cão estanque sob a garoa. As lanchas ocas oscilantes. Bancos inúteis: assentos asséticos. O amor e o mar estão encobertos por um tecido branco, que é estação, algodão, é medo, umidade. É distância. 

 

 

 

 

 

 

Please reload

Postais em destaque

DE QUANDO OS MUNDOS ACABAM

28.03.2020

1/16
Please reload

Postais recentes

26/03/2020

26/03/2020

Please reload