SALMO

Eu me orgulho, ó Deusa, profundamente,
Dos momentos em que sinto que preciso
E dependo de tua mão e teu consolo,
Pois nestes momentos, mais que nunca,
Eu me percebo feito para amar-Te e reconheço
Dentro de mim a melhor parte do que sou.

Sou feito para amar-Te e carecer de Ti
E nisto encontro escusa para ver-me por vezes
Tão confuso e aturdido diante das agruras
Deste mundo, oblíquo mundo, insano e torpe;
Mas se clamo o nome teu, Deusa minha,
Dentro do negro silêncio que me envolva,
Tua mão me chega à face e o seio teu me aquece
Na noite cega de meus surdos desenganos.

Quando estou fraco, então é que sou forte.
Minha fraqueza soergue o escudo das montanhas,
O pranto meu desfralda a espada ignescente
Do relâmpago que estronda e rasga a terra;
Minha palavra caminha mais que o vento
E o golpe de meu braço é como o tombo
                                   [de um carvalho,
Porque Tu estás em mim e o amor de Ti
Faz-me pequeno e grande como a chuva...

O amor de Ti referve em mim, ó Deusa
Como o sangue de um leão dentro de humano corpo.

Eu, deveras, confesso que me orgulho,
Com soberba que rogo me perdoes,
Do amor de Ti que justifica a minha alma
E faz-me carecer de tua mão e teu consolo.
Não morra eu por orgulhar-me de tal sina
E haja perdão para a soberba de Te amar.

 

 

Igor Buys

in Versos Íncubos, 2014

 

 

  

 

Please reload

Postais em destaque

DE QUANDO OS MUNDOS ACABAM

28.03.2020

1/16
Please reload

Postais recentes

09/04/2020

09/04/2020

07/04/2020

06/04/2020

Please reload