AMOR BRUXO

Sente. Só sente, amor: que afasto teus cabelos

de cima dos ombrinhos, do canto da boca, e te toco nos lábios. Amasso uma pouca coisa essa carne tenra... Começo a bebê-los. Sente meu beijo, amor, minhas mãos de cristal sobre a tua cintura. Que será real, senão o que se sente?... Toca os seios teus e tatua este encontro — na pele de Deus! Percebe o meu calor, esta ternura nua; meu abraço de estrelas ao colo da frágua, a buscar-te o corpo, a pele de lua. Sim: nos céus haverá duas estátuas d’água:

jamais se desfarão; e na procura anímica,

do teu corpo à distância tocarei a química. Igor Buys 29 de setembro de 2010

In Versos Íncubos, 2014

Alessandra Ambrosio; foto da Rede

Postais em destaque
Postais recentes