AMOR TALHADO

Hoje eu vou estar no teu quarto.

Hoje eu vou invadir o teu sonho,

o teu corpo, o teu sangue e o meu

sêmen vai estar no teu suor e olhar.

 

Não fujas, não lutes

não estejas com o outro sob pena

de pensar em mim no último ins-

tante e transpirar a sílaba traidora.

 

Hoje vais estar pequena,

perdida na sala, no tempo, miúda,

menina e temerosa de cada sombra

oblíqua que as coisas projetam.

 

Hoje vais querer a mão

e o colo paternos mas sou eu,

enfim, o pai no cerne do pai

a quem procuras; sou eu, criança,

o que te inferna e reconforta.

 

A tua palma vai estar suada,

levemente, as tuas coxas bem

cruzadas, apertando as mãos unidas.

 

Temor e amor, calor

e frio já não se distinguem.

Eu sou a obsessão dissimulada

em hábito e simples curiosidade;

a lâmpada que vacila como vela,

a mentira que não precisa ser dita,

mas apenas calada, engolida em seco,

ou senão regada a vinho e riso frouxo.

Eu sou o mistério no fundo da chuva,

o vento de muito longe que te arrepia.

 

E o medo mais cruel que te visita

é o medo de não ter o que temer,

exceto desejar estar comigo tão de perto

como o ar que alimenta os teus pulmões.

 

 

Igor Buys

In 'Versos Íncubos', 2014

 

 

 

Cristielli Camargo

 

 

Please reload

Postais em destaque

[EM PROCESSO DE REVISÃO] INTELIGÊNCIA EMPÁTICA

20.07.2018

1/13
Please reload

Postais recentes

12/11/2019

11/11/2019

11/11/2019

Please reload