LOBO EM GALOPE

Coração, como voas! Como uivas,

como foges! e farejas noite adentro no horizonte um resto morno de sol-pôr com que entretecer tuas quimeras! Qual’m lobo te arrojas quando adentras pela treva além da esquina além da lua; e em teu galope,

galope, galope vais buscar a quem tu amas...

Mas quem tu amas,

viajante sem freio,

mora inda mais longe

que o mar fundo depois da Enseada,

― ai, mar de fogo negro!

de águas cálidas, prata e ouro fundidos!

ai, mar de cegas labaredas!...

Quem tu amas, metamorfo ser de magma, vive além do último monte negrejante, onde há neve e vulcão,

palavras que se dissolvem em vapores...,

mas não procuram o Cruzeiro, senão outras constelações;

e eis que agora, assim ofegante, assim sem rumo, precisas da minha poesia, dos meus cristais sem rocha.

Ai coração, que te sirvam, ao menos de afago, meu lobo latente no peito rasgado, meu pássaro de puro ruflar

rufando o ritmo do teu argento vôo sem limite! Mas se desejas que escreva, te ponhas em calma, meu potro negro,

potro negro, potro negro, corcel de estrondo e palmeiras escabeladas, que assim não posso, não sei fazer: meu verso é pouco para cabê-la,

à tua amada,

à nossa musa,

e o mar é pouco, há pouca tinta no quarteirão,

no País! no mundo: melhor tentares, então: com teu galope, com tua fuga e transcendência!... Ai, coração, coração! Reverso da noite! Como galopas, galopas!... Como incendeias!

dando luz aos cegos pelas estradas,

cavando dia em meio à surdez opaca,

levando meu verso entre tuas presas

palpitante

-- como um filhote.

Igor Buys

01/02/2011 a 21/10/ 2018

Bodypainting

Postais em destaque
Postais recentes