DENSIDADE E SUTILEZA – PRIMEIRO PASSO

1/8 - Sutil é, exatamente, a aparência, o fenômeno (φαινόμενον): a imagem, ou signo. Defino a imagem, ou fantasma como — a quase não coisa.

2 - Principiemos esta digressão vertical por um axioma: toda imagem, ou fantasma sensível, é um — signo e todo signo é uma imagem, ou fantasma.

3 - Disso deriva que metafísica e semiologia sejam uma única e mesma ciência. Ora, a coisa em si, ou melhor: o em-si das coisas é incognoscível.

 

4 - Pois conhecer é, primeiro: apreender pelos sentidos; depois, inteligir ou: representar. E, num terceiro ato, reconhecer — ato este coletivo.

5 - São, destarte, três as operações da cognição: a percepção, a apercepção e o reconhecimento. A primeira prescinde de um eu: é o sentir puro.

 

6 - I.e., o sentir independente de alguém que o conheça como algo sentido. A segunda flagra em nós a — partícula proprioceptiva do Eu profundo.

 

7 - Só posso me aperceber de algo em relação a mim. Mesmo um sentir. Ponho-me consciente de algo que me afeta, o referindo a um eu sito AQUI.

 

8 - A representação desse eu é uma imagem, ou signo que não deriva de qualquer dos sentidos externos, mas da propriocepção, um sentido interno.

 

9 - Dizemo-la uma partícula e um átomo por ser a densa, indivisível menor parte do eu e o tijolo fundamental de toda a sua complexa anatomia.

 

10 - Trabalhando com a mais importante tricotomia peirceana, diremos que tal signo, ou imagem é um — índice; não um ícone, tão-pouco um símbolo.

 

11 - Um índice é um signo que representa algo através de uma relação de contigüidade; e.g., uma seta, que aponta um caminho. Ou um cata-vento.

 

12 - O fantasma do Eu profundo é uma seta a apontar para algo que, por força, precede espaço e tempo, estando sito num τóπος absoluto: o AQUI.

 

13 - Tal signo, ou imagem, essa seta, é fundamental para entendermos o processo de empatia, pois vem a ser o que chamaremos adiante: identidade.

 

14 - Por ora, aceitemos que a identidade, quando usada, primo, no ato da apercepção pelo recém-nado, funda neste o átomo do eu-individual.

 

15 - Já o ato do reconhecimento depende da cooperação de todos os que constroem, ao longo do tempo, a linguagem e a cultura, e se chamam — nação.

 

16 - A nação, ou indivíduo cultural e lingüístico, vive em todos e em cada qual dos indivíduos físicos, naturais e se constitui num: eu-coletivo.

 

17 - Por isso, lançando mão de mais um axioma, diremos que não há verdades internacionais ou mesmo individuais, senão apenas verdades: nacionais.

18 - Reconhecer é subsumir algo num esquema, termo kantiano, cultural e linguístico, acréscimo nosso, de modo a lhe atribuir um — significado.

 

19 - O significado é um conjunto, em geral, amplo de imagens imbricadas; o seu tecido pode vir a ser imensamente complexo, porém é de todo sutil.

 

20 - O em-si das coisas, a “res”, é interna e externa; se situa para aquém e para além dos objetos mundanos, fantasmáticos: a quase não-coisa.

 

21 - Assim, se as coisas AÍ quase não são coisas, é porque são o produto — poético da cooperação do sujeito, o eu-coletivo, com o eu-individual.

 

 

Igor Buys

2016

 

 

Reprodução: Mark Rothko

 

 

Please reload

Postais em destaque

[EM PROCESSO DE REVISÃO] INTELIGÊNCIA EMPÁTICA

20.07.2018

1/13
Please reload

Postais recentes

15/11/2019

14/11/2019

14/11/2019

13/11/2019

Please reload