PÉGASO

O anel de fogo no teu corpo, queimando da cor da Aurora, e os teus lábios, ideográficos, calando a mesma forma; os teus olhos: mais dois halos.

O malho brusco, barulho afoito, de coito, de besta, querendo ter Asas.

Acicates das dez unhas na tua anca, -- chicote! da palma, teus cabelos de ardência seguros dentro da minha mão, qual rédeas.

E um só sentir de carne partida, compartida, reunida; um só corpo, eqüino, brilhoso, feito de bronze à meia-luz, como o potro alvo que volve a baio sob o tramar do dia.

E do horizonte emergem as trompas, explodem os Pégasos (outros) escoiceando, jogando crinas fulvas!

Já teus joelhos, cotovelos cravados, teus quadris de aríete com que me destranco qual à porta dum castelo, súbito: se tornam delgados...

O peso nos foge da posse — e, em meio ao Clarão imponderável, cruel: somos Um... E voamos.

Igor Buys 08-03-2014 / 11/01/2017

Kristiana Pelše; foto roubada

Postais em destaque
Postais recentes