CANTIGA À GUILHADE

Ai dona fea, fostes-vos queixar,

J. G. de Guilhade.

Ai dona fea! imensa e gorda

que vigiais os meus amores!

Quereis saber se ela me nota,

quereis saber se ela me quer.

Se o meu abraço a guardará,

quereis saber, ai bruxa má...

E por prazer me apunhalais

e maldizeis o meu carinho

pela qu’é luz do meu loar!

Ai dona fea! obesa e rubra,

assim vestid’en carmesim!

Jamais vos loarei toda via!

Jamais per si vós sabereis

o qu’é o calor do meu loar,

toda ternura do meu verso,

o mal e o mel do meu loar.

Igor Buys

In Versos Íncubos; 2014

✔Entenda

Ai, dona fea! Foste-vos queixar que vos nunca louv'en meu trobar; mas ora quero fazer um cantar en que vos loarei toda via; e vedes como vos quero loar: dona fea, velha e sandia! Ai, dona fea! Se Deus me pardon! pois avedes [a] tan gran coraçon que vos eu loe, en esta razon vos quero já loar toda via; e vedes qual será a loaçon: dona fea, velha e sandia! Dona fea, nunca vos eu loei en meu trobar, pero muito trobei; mais ora já un bon cantar farei, en que vos loarei toda via; e direi-vos como vos loarei: dona fea, velha e sandia!

João Garcia de Guilhade

Arte nossa.

Postais em destaque
Postais recentes