Registro da minha participação na 23 a. Bienal Internacional de São Paulo (23-08-2014)

Falar uma poesia (Isto) no meio de uma colméia humana, a palavra a diluir-se no zunzum efervescente: eis o que o vídeo abaixo flagra e registra: uma bravata demosteniana.

Filmado pela escritora Ana Paula Hornos, no estande da Scortecci, na Bienal

ISTO Isto é o que sou e não sei; é o que sei e não sou; o que defenestro e vomito; o que amo e não digo. Isto é o meu silêncio mais que o meu grito. Isto é o que te jogarei na cara, ainda que cara me seja a tua voz. Isto é o que não se cala, mesmo sendo palavra muda. Isto é sêmen, levedo; isto é cicuta, degredo.                     Não abras as coxas                     ao meu verso                     ou te faço um filho.                     Não grites Barrabás                     ao meu Verbo                     ou te ressuscito nua.                     Meu verso tem poder                     mesquinho                     sobre o que é não-ser. Isto é o que nego, depois faço. Isto é aquilo e aquilo outro. Isto é o que não (vivo). É o que suicido.

O escritor e editor João Scortecci e eu, também no estande da Scortecci, na Bienal

Convite da editora para a minha sessão de autógrafos na Bienal de São Paulo 2014

Postais em destaque
Postais recentes