TUITAÇÕES

Reflexões ultra-sintéticas formuladas para veiculação através do tuíter @IgorBuys

O PERIGO DA LIBERAÇÃO DA JOGATINA; MÁFIA, C.I.A. E SOBERANIA

1 - Um dos projetos mais abjetos dos tantos que têm sido articulados contra a soberania nacional é o que propõe a liberação da jogatina no País.

 

2 - Liberar a jogatina, proibida pelo nacionalista Getúlio, significa permitir a implantação da Máfia no Brasil. E Máfia é CIA, CIA é Máfia.

 

3 - Algo como 40% dos estadunidenses, segundo pesquisa, crê que JFK tenha sido morto pela CIA, outros 40% crê que pelo governo e 10% pela Máfia.

 

4 - O resultado da pesquisa é divulgado nesses termos, mas isso é um sofisma: a CIA é órgão do governo. E a Máfia finda por ser um braço da CIA.

 

5 - A Máfia corrompe o tecido social e institucional através da jogatina, da prostituição, da chantagem. Os filmes de Coppola o ilustram bem.

 

6 - Numa cena famosa de Coppola, de domínio amplo, um senador que tentara chantagear um dono de cassino é transformado em títere da Máfia.

 

7 - O político aparece em quarto de espelunca com uma profissional de sexo morta. Diz não se lembrar de nada. À porta surge o matador do chefão.

 

8 - Os mafiosos se prontificam a “ajudá-lo”, esconder o corpo, abafar o caso e o senador passa a defender o chefão numa comissão do senado...

 

9 - O personagem do senador é uma alusão a JFK. Assim como outro personagem dessa mesma trilogia de filmes de Coppola alude a Frank Sinatra.

 

10 - Usando as devidas “tags”, encontra-se, sobretudo em inglês, um número infinito de informações na Rede sobre ligações da Máfia com a CIA.

 

11 - Há livros, publicações jornalísticas, farto material de consulta sobre o tema. Os ianques viram na Máfia um "good business": a incorporaram.

 

12 - A rede de chantagens e propinas que o crime organizado monta permite controlar as estruturas do Estado, polícia, parlamento. Governo.

 

13 - Não há remédio para deter a expansão dessa rede a não ser a revolução armada, como visto em Cuba. É de mister, pois, impedir que se instale.

 

14 - Não é questão de moralismo: a jogatina é um rombo definitivo na segurança institucional e na soberania. E é assim que precisa ser encarada.


* * *

15 - Se a chantagem e o gangsterismo de meia tigela, hoje, já nos conduziram a um golpe, calculemos esse cenário com políticos ligados à Máfia...

 

 

CONFESSIONAL

 

 

1 - O filme “Golpe de Mestre” traz uma única mensagem, e não intencional, mas bem direta: tem-se fascinação pelos ladrões, os transgressores.

2 - “Onze Homens e um Segredo” e tantos outras... peças comerciais roliudianas exploram comercialmente e flagram no âmbito psicossocial o mesmo.

3 - Cunha, mesmo Cunha, que repugna à maioria, é glamourizado por uma parcela ampla da opinião pública com atributos (perversos) que não possui.

4 - Não no grau em que se pinta. Mas muitos — desejam crer em um “psicopata puro”, coisa de película comercial, que excita homens e mulheres.

5 -O estereótipo da "femme fatale", criminosa, ladra violenta, excita muitos homens; assim como o cafajeste, o machista excita muitas mulheres.

6 - Isso faz com que homens e mulheres projetem, uns nos outros, tais estereótipos e forcem nos parceiros o seu surgimento para se satisfazerem.

7 - De mim, não nego o fascínio pelas “Bond girls”; não tanto pelo padrão físico, fácil no Rio, em academias, mas pela — aura: feroz e marginal.

8 -Porém, o meu fraco maior é pelas que encaro como “Lua” (v. tx. "POESIA 'LUA E AURORA"). E as encaro assim, porque desejo que assim fossem...

 

9 - Estas, por outro lado, me vêem, não raro, como o mau, o perigoso. O sombrio, até isso... E isso não era o que eu queria ser e dar para elas.

10 - Este último cenário é de terrível frustração. A saída é converter em desespero da ternura o que se sente. Se houver azo, ser amigo ou irmão.

11 - As relações que funcionam melhor são aqueles em que nos é fácil fingir ser o que outro diz, clara e diretamente, que deseja que nós sejamos.

Pág 9
Julho 2016